Salmo 61:2 – Leva-me para a Rocha que é mais alta do que eu

Ao nos criar, o Senhor Deus posicionou nossos olhos e nossa mente na parte mais alta do nosso corpo. Assim temos o ponto de vista mais privilegiado que nossa própria estatura consegue nos proporcionar.

Porém, como desde cedo a gente percebe, essa altura nem sempre é suficiente e precisamos de ajuda externa. Queremos enxergar mais alto e mais longe.

No salmo citado, o autor, Davi, reconhece que seu limite está à altura de sua mente, seu “eu”, e pede a Deus que o leve àquela Rocha que é – ele sabia disso – mais alta do que ele.

Eu e você temos consciência disso? De que a Rocha – figura frequente na Bíblia para apontar profeticamente a pessoa do Senhor Jesus – é mais alta do que o nosso Eu?

Temos consciência de que, se estivermos posicionados nessa Rocha, poderemos enxergar muito mais alto e mais longe, com clareza, podendo inclusive antecipar o movimento das tropas inimigas que se levantam contra nós?

Peçamos também isso ao nosso Deus: Leva-me, conduz a minha vida, para que eu enxergue as coisas do ponto de vista mais alto do que o meu próprio.

Além disso, estaremos seguros, abrigados nessa Rocha, protegidos e guardados n’Ele.

A Parábola do Rico Insensato

Algumas parábolas propostas pelo Senhor Jesus apresentam um elemento comum: um campo, uma vinha, uma herdade – terras que continham tesouros ou consistiam em áreas produtivas – todas com potencial para trazer o sustento àqueles que trabalhassem nelas. Estas figuras são tipos da Obra do Espírito Santo: o Senhor estabeleceu neste mundo a Sua Obra, cuja produção é abundante e traz benefícios ao trabalhador – Ela torna o homem rico para com Deus: “A bênção do Senhor é que enriquece; e não acrescenta dores.” (Provérbios 10:22)

 Contudo, o viver dessa riqueza requer o abandono das coisas velhas… Quais? Nossos próprios frutos: razão, tradição, projetos vividos até então – frutos colhidos durante a vida até o encontro com o Senhor… Eis, no interior do homem, o conflito entre os valores do Espírito e os valores antigos, carnais: “E arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos.”

 “Farei isto: derribarei os meus celeiros…” É abrir mão da vida espiritual erguida na presença do Senhor para viver um projeto próprio, desfazendo o celeiro – a estrutura que o Senhor deu para encher com frutos da Eternidade… Alguém pode ainda dizer: Este celeiro é muito estreito e está também cheio de defeitos… Não seria o caso de empreendermos juntos esforços para reparar o celeiro? Um celeiro maior é figura do projeto humano: é maior para dar espaço aos frutos antigos (razão, tradição, projetos) e às novidades que se opõe ao ensino bíblico, além de inúmeras concessões relativas às vontades da carne)… Isto está acontecendo em nossos dias? Homens derrubando celeiros edificados há décadas, desprezando a estrutura erigida sob a orientação do Espírito Santo, em busca de mais espaço para eles mesmos…

 Não confundamos os valores terrenos com os eternos: “Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos: descansa, come, bebe e folga.” O que “muitos anos” de fartura terrena representam, comparados à natureza eterna da alma? Será que as necessidades da alma são as mesmas do corpo (descansar, comer, beber e folgar)?

O rico insensato é o que experimenta as riquezas do Senhor, mas já não se satisfaz “apenas” com elas… Um dia, prestaremos contas a Deus a respeito da alma que Ele nos deu para cuidar… Enquanto isso, que tal examinar a estrutura do celeiro? Este é aquele que o Senhor ergueu? Ou é o que você mesmo construiu? Se a resposta é a segunda situação, o compromisso de enchê-lo é exclusivamente seu… Mas se o celeiro é o do Senhor, não faltará a provisão: O Senhor vai enchê-lo diariamente! Maranata!

Mensagem sugerida pelo irmão Luciano Cathoud.

Toc, toc…

Estou à porta e bato

Em Apocalipse 3:20 Jesus afirma que está à porta e bate. 10 entre 10 pregadores afirmam que Ele se refere à porta do nosso coração. Não pretendo destoar deles aqui.

Há diversas passagens nos evangelhos que narram ocasiões em que o Bom Salvador entrou – sempre que solicitado – na casa de diversas pessoas. Na de Pedro entrou acompanhado da bênção da cura da sogra do discípulo. Na casa de Zaqueu levou consigo a salvação. Na casa de Jairo levou a vida – que  havia escapado de lá, levando consigo toda a alegria daquela família.

Ainda hoje Ele se mostra disposto a atender ao nosso convite para entrar. Aliás, Ele insiste nisso. Bate à porta e fala. “Se alguém – diz Ele – ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa”.

Se Jesus ainda não entrou em sua casa, prezado leitor, preste bem atenção, Ele ainda está lá fora, no jardim, na calçada, esperando você (que tem a chave da porta, pois é o dono da casa) abrir-lhe o coração.

Muitos vivem por décadas com Jesus na parte exterior de suas casas, de suas vidas. Alguém que olhe para eles pode mesmo acreditar que Jesus faz parte de suas vidas, pois é visto no exterior de suas vidas. Mas Ele não está la dentro. Isso lá, na Eternidade, fará muita, toda a diferença.

Ouça: toc, toc…

Você tem razão: os homens são mesmo “árvores que andam”

Árvores que andamO lamento do Senhor Jesus sobre a aldeia de Betsaida, registrado em Mateus 11:21, nos passa a ideia de que Ele esteve diversas vezes ali, operando sinais e maravilhas. Ele lança um duro juízo sobre seus habitantes pois não haviam se convertido diante das operações maravilhosas de Deus em seu favor: “Ai de ti, Betsaida”, diz Ele. Podemos assim reconhecer em Betsaida uma figura da religiosidade organizada, mas que já se acomodou e não reage mais aos sinais de Deus do modo que Ele mesmo espera: com mudança de vida.
Na narrativa de Marcos, no cap. 8 de seu evangelho, Jesus faz, talvez, sua última passagem pelo povoado e dali retira um cego. Os moradores de Betsaida não veriam mais sinais. Nem mesmo a cura daquele aldeão.
O Senhor toca-lhe os olhos com saliva – figura do que sai da boca do Salvador e nos abre os olhos espirituais – e lhe impõe as mãos. O resultado? “Vejo os homens, pois os vejo como árvores que andam.”
Diríamos que ele enxergou muito bem. Assim são, de fato, os homens: árvores que andam. Você vai até eles hoje e, talvez, encontre sombra e fruto. Talvez encontre apoio também. Mas amanhã, quando você conta com eles, já não estão lá. Já andaram, se moveram. Hoje ainda, muitos que foram retirados da aldeia que está sob juízo de Deus – a religião – e já receberam um toque do Senhor Jesus, ainda estão colocando seu foco nos homens. E estão sendo profundamente decepcionados, pois eles são extremamente volúveis.

Sabendo disso, Jesus torna a tocar naquele homem que, então, pode “olhar firmemente”, pois pode olhar para Jesus, que não muda. Pode também olhar as coisas lá de longe, lá da Eternidade de Deus.

O conselho para os que já passaram por esse processo está mais atual do que nunca:

NÃO TORNES A ENTRAR NA ALDEIA.

Maranata.

Outra mensagem para culto de formatura: Engenharia Civil & Arquitetura

Subi para a página “Outras Mensagens” uma palavra adequada para culto de formatura de turmas na área de engenharia e arquitetura. Cliquem no link ao lado do título do Blog, ele é, atualmente, o último link naquela página. Que o Senhor nos dê abundante graça e nos ajude a aproveitar essa oportunidade de evangelização que são os cultos de formatura.

Mensagem para Bodas de Ouro

…porque já aprendi a contentar-me com o que tenho. Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.                                                    Filipenses 4:11-13

Quando vemos diante do altar do Senhor um jovem casal, se unindo em casamento, não podemos deixar de notar a expectativa de ambos diante da nova etapa, a nova vida que os aguarda. Essa é uma das semelhanças entre o casamento e o relacionamento de Jesus com a Sua Igreja Fiel. Ela também vive a grande expectativa da nova vida que a aguarda.

Porém quando presenciamos um casal que já está unido há tantos anos, não falamos das expectativas, mas das experiências vividas.

O apóstolo Paulo era já um homem maduro quando escreveu essa carta. Já havia aprendido muito, como diz. A vida lhe havia ensinado, especialmente, que ele era um homem limitado. Que nem todos os dias eram de abundância, houve dias de abatimento. Nem todos os dias seriam de fartura. Ele, por certo, se deparou (inúmeras vezes) com sua própria limitação. Assim como os irmãos, durante todos esses anos.

Mas depois de falar sobre a descoberta  de seus limites, Paulo fala do que experimentou depois que passou a contar com a ajuda d’Aquele que o fortalecia. E é especialmente por estas conquistas – além das nossas próprias forças – que queremos hoje agradecer ao Senhor (Pode-se então finalizar a mensagem mencionando, com sabedoria e discrição, as experiências vividas pelo casal na presença do Senhor).

(partindo de sugestão do J.R.Amorim)

A descoberta do rei Assuero

Em Ester 6 lemos que os governantes do passado também perdiam o sono. O texto não diz se foi por um mal-estar ou se havia algum problema que afligia o rei Assuero, o que não seria incomum a uma autoridade

Mas, ao invés de procurar algum entretenimento, ele tomou uma sábia decisão: Quis ouvir o que havia sido escrito naquele livro que falava do reino. Dali ele descobriu que um homem, muito tempo antes, se preocupara com sua vida e tomou providências para livrá-lo da morte.

Então perguntou: “Este homem foi devidamente honrado pelo que fez pela minha vida?” Diante da negativa, perguntou onde estaria aquele seu benfeitor. A resposta foi: Ele está à porta do seu palácio.

Aí está, amigos, a prova de que a essência da Bíblia é o assunto salvação do homem. Nesta historieta encontrada num livro que nem sequer menciona a palavra “Deus”, vemos uma figura perfeita da salvação em Jesus.

Muita coisa tira o sono do homem hoje. Felizes aqueles que vão procurar conforto junto ao antigo livro, que fala de um reino, não daqui, mas o Reino do Céu. Nesse livro se descobre que, há muito tempo atrás, um homem trabalhou para nos livrar da morte.

Pergunto: Afinal, Ele – Jesus – foi devidamente honrado?

Onde Ele está agora? “Eis que estou à porta…” Apocalipse 3:20

(Com contribuição do Thiago Procópio, de Juiz de Fora)

Sugestão de mensagem – Colegas de Trabalho – 2011

Esta mensagem foi sugerida pelo Marlon, de Cataguases/MG:

Sugestão de Mensagem para o culto especial
Mês de evangelização de colegas de trabalho

Texto: Evangelho Segundo João Cap. 02 – As bodas de Caná

Introdução
O texto nos fala do momento importante na vida de um casal.
Como era um momento de grande alegria, resolveram compartilhar com outras pessoas e convidaram a muitos.

Desenvolvimento
Alguns vieram por vínculo de amizade.
Alguns vieram por vínculo familiar.
Alguns vieram por vínculo profissional.

Entre estes últimos estavam os serventes. E foram justamente estes que, num dado momento da festa, presenciaram algo impressionante: um milagre.

A vida dos crentes, servos do Senhor, também é de grandes alegrias, que gostamos de compartilhar com parentes, amigos e colegas de profissão. Mas, certamente, há momentos de tensão e expectativa, momentos em que a alegria falta e a festa parece que vai terminar em decepção e vergonha. Possivelmente aqueles serventes já haviam visto isso acontecer em outras ocasiões.

O que eles nunca tinham visto é como a presença de Jesus faz TODA a diferença na nossa festa.

Conclusão
Você, hoje, é nosso convidado. Por vínculo profissional passou a ter contato com um ou mais servos do Senhor. Talvez, inclusive, tenha presenciado momentos difíceis na vida destes irmãos nossos. Nós gostaríamos que você também fosse participante dos nossos momentos de alegria, os nossos cultos, por isso lhe convidamos.

Porém o mais notável nesta festa não são nossas vestes – talvez diferentes dos uniformes que usamos cotidianamente – ou mesmo o ambiente, a casa em que nos reunimos. O mais notável aqui é a presença – e o SOCORRO – do Senhor Jesus.

Quando já não havia mais esperança e a nossa festa parecia acabar precocemente, Ele interferiu na nossa história e trouxe paz e segurança.

O conselho que aqueles homens receberam vale também para você, hoje: “Fazei tudo quanto Ele vos disser.”

Maranata

A T U A L I Z A Ç Ã O

Os irmãos devem atentar para a sugestão de mensagem feita na transmissão via satélite na manhã de hoje, 31.07.2011, no evangelho de João, cap. 17:8 e 9.