Busque (no Senhor) ser uma pessoa melhor

Este é um conselho que dou a mim mesmo a cada dia, na esperança de que eu mesmo venha a crer todo dia e colocar isso em prática. Quero fazer a você que lê este texto a seguinte sugestão para que você se organize da seguinte maneira:

Podemos dividir nossa vida em três aspectos principais:
– ESPIRITUAL
– FAMILIAR
– MATERIAL

Podemos ainda subdividir cada um desses setores:
– ESPIRITUAL
      – pessoal, individual
      – congregacional, isto é, coletivamente
– FAMILIAR
      – casamento
      – paternidade
– MATERIAL
      – profissional
      – financeiro

Relacionamos assim 6 subdivisões que podem, por sua vez, cada uma, dar origem a uma lista de detalhamento de, pelo menos, 10 itens numa LISTA DE ORAÇÃO.

Prepare suas próprias listas, uma para cada dia, baseadas na sua realidade. Essas listas podem ser utilizadas para nortear sua busca diante de Deus por progresso, em cada uma das áreas da vida, uma por dia, por seis dias da semana, de segunda-feira a sábado.

Que tal experimentar por um mês, organizando assim (ou de alguma outra maneira) sua vida de oração em favor do próprio progresso? Separe 10 minutos, pelo menos, de seu dia (de preferência num mesmo horário) e coloque seus pedidos usando a lista de cada dia, diante de Deus, com confiança e esperança n’Ele, crendo que todo que pede, recebe.

Ah, e se você tem um cônjuge, lembre-se de tentar fazer isso junto com ele, o que aumenta a eficácia da oração, conforme Jesus afirmou em Mateus 18:19:

É tempo de orar

Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus

…para que a seu tempo vos exalte”. Assim diz o apóstolo Pedro em sua segunda carta.

Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus

É desse texto que me lembro quando leio a história da ida do profeta Jeremias à olaria, por ordem do Senhor. Desce – disse Deus – à casa do oleiro e lá te farei ouvir as minhas palavras.

Um belo vaso é um objeto de destaque. Quanto mais esmerado em sua fabricação, mais valioso se torna e alguns chegam a valer muito. São chamados por Paulo de vasos de honra.

O processo pelo qual a matéria prima passa para sair da condição de barro até chegar a vaso é longo e difícil. Mas dá lugar e evidência à habilidade do oleiro. Ao final ele, o oleiro, é reconhecido e elogiado.

Deus é o oleiro por excelência e nós, o barro em suas mãos. O endurecimento do barro (que representa nossa resistência natural à ação de Seu Espírito Santo) só dificulta Sua Obra em nós. Talvez faça com que Ele tenha que colocar mais pressão em Suas mãos para nos modelar.

Mas a Bíblia nos assegura que, humilhando-nos, estaremos apressando o tempo em que Ele nos exaltará. Portanto, se você está sendo moldado pelo Oleiro e quer que esse dolorido processo acabe logo, trate de se aquietar enquanto Ele trabalha.

…fitando os olhos nele, disseram-lhe: olha para nós!

A geração atual carece de boas referências. Vivemos numa época em que o papel dos mocinhos foi assumido pelos bandidos. Recentemente abandonei uma websérie que estava acompanhando, que trata dos meandros da política americana do ponto de vista de um lobista. Fiz isso quando me dei conta de que estava torcendo pela personagem principal – um político mau-caráter. Ficava na expectativa para saber como ele iria se safar de mais um problema criado pelos seus próprios atos corruptos. E ele sempre escapava. Em dois filmes recentes da franquia Batman a personagem mais interessante era a do vilão. Pra onde isto está nos levando? Ou melhor: pra onde isso está levando a próxima geração de profissionais, pais de família, governantes, a sociedade como um todo? Será que isso é um fenômeno social espontâneo ou haverá um plano por trás desse rumo que as coisas estão tomando?

Bem, em vez de especular isso, prefiro, por hora, procurar fazer melhor a minha parte, aquilo que está ao meu alcance. SER uma boa referência para os que vem após mim. A começar pelos meus filhos.

Sou um sujeito de pouca paciência, reconheço. Muitas vezes isso toma uma dimensão ainda maior no trânsito – o que acontece com a maioria de nós. Ultimamente, porém, tenho mantido em mente que os meus filhos se espelharão em mim, inclusive nessa área. Assim, além de obedecer às regras de circulação, tenho procurado não esbravejar sozinho diante dos erros alheios, como fazia. Achei melhor aproveitar cada situação para mostrar, de modo didático, os maus hábitos de outros motoristas ao volante, e suas possíveis trágicas consequências.

Muitas vezes reconheço em minhas próprias atitudes, características do comportamento do meu falecido pai. Ora com pesar, ora com muito, muito orgulho. Espero que deixe ainda mais orgulho que pesar

Olha para nóspara o futuro de meus filhos. E que esse orgulho lhes sirva como fonte de inspiração, para que sejam “irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeçam como astros no mundo” (Filipenses 2:15)

Está longe ainda, Papai?

Tenho o privilégio de viajar para outra cidade para ser assistido pelas igrejas de lá. Sim, porque quem pensa que dá assistência a uma igreja, pense melhor: são elas, as igrejas, que nos assistem, que cuidam de nós.
Muitas vezes levo minha família comigo e meus filhos, ainda crianças, sempre ficam incomodados com a demora da viagem, enfadados por estarem no banco de trás por “loooongos” 50 minutos. O fato de viajarmos geralmente à noite aumenta inda mais o enfado: não há paisagens, bois, casas, nada enfim, para se ver, tudo está mergulhado em escuridão.
Lá pelo meio da jornada vem a pergunta inevitável: PAPAI, TÁ LONGE AINDA?

Falta muito ainda, Papai?

Falta muito ainda, Papai?

O que os pais experientes dizem nessa hora? “Tá chegando, filho, tá chegando…”

Certa vez viajei sem eles e, quando passava pelo local em que geralmente eles perguntavam a mesma coisa, me lembrei disso e, com o coração amargo pelas lutas daquele momento, me coloquei, em oração, no banco de trás do carro do Senhor (é Ele quem dirige esta Obra, guarde isso) e perguntei a Ele:
Pai, está longe? Ainda falta muito pra chegar na nossa desejada cidade? A escuridão que me cerca é assustadora e oprime… está longe ainda, Pai?

E pude ouvir Papai do Céu me dizer calmamente:
NÃO, MEU FILHO, ESTÁ CHEGANDO!!

Queixa recente no Procon

– Deixa, então, eu entender: Você comprou o campo porque achou nele um tesouro, certo?
– Isso mesmo, moço.
– E agora, porque achou erva daninha que brotou no terreno, não quer mais o campo, correto?
– Pois é… as pessoas passam e veem toda aquela praga que brotou… fico meio constrangido.
– Mas as pessoas não veem o tesouro, não é?
– Não, não senhor…
– E você sabia que o campo era um campo como outro qualquer, não sabia? Sujeito a pragas comuns, que talvez parte dele fosse charco, parte pedregosa…
– É, de fato…
– Mas ficou com ele, tendo vendido tudo o que tinha, por causa do tesouro, não foi?
– Nisso o senhor tem razão.
– E agora tá disposto a perder o tesouro por causa dos problemas do campo?
– Mas, entenda bem, é que… é…
– Será que uma boa limpeza no campo não vai resolver isso não? Pensa mais um pouquinho antes de desfazer seu contrato…