As Duas Obras de Deus

Vamos usar o texto de João 9 – A cura do cego de nascença – para falar um pouco sobre AS obras de Deus. Vamos aproveitar que o Senhor Jesus usou a expressão no plural para colocar as coisas do seguinte modo:

Duas idéias mentirosas já eram comuns nos tempos em que Jesus esteve nas terras de Israel:

  1. A enfermidade de nascença (no caso, a cegueira) era resultado, consequência de pecado anterior ao nascimento da pessoa – ou seja, em “vidas passadas”, como defendem os que acreditam na reencarnação;
  2. A enfermidade de nascença era resultado, consequência de pecado dos pais, anterior ao nascimento do filho. Algo como as famigeradas maldições hereditárias.

O Mestre rebate incisivamente dizendo que nem ele nem os pais pecaram. Diz mais, que aquela enfermidade daria ocasião à manifestação das obras de Deus.

Deus realiza duas grandes obras:

  • A que pode ser chamada de Obra Criadora e
  • A que pode ser chamada de Obra Redentora.

Ambas aparecem, como disse o Senhor Jesus, na história do cego de nascença, veja só:

  • A Obra Criadora, feita através de Jesus, o Verbo, trouxe o homem à existência – “Deus fez o homem bom” – mas essa Obra foi atingida pelo pecado (bem exemplificado na cegueira, que aqui representa todas as demais doenças que afligem a humanidade). Essa foi consumada nos seis dias.
  • A Obra redentora, também feita através do Senhor Jesus, resgata o homem dessa existência enferma e o restaura diante de Deus. Nesta, como disse o bendito Filho de Deus, o Pai, o Filho e o Espírito Santo trabalham até agora.

Por isso a preferência de Jesus em curar primeiramente a alma e depois o corpo, como no outro caso, o do paralítico de Cafarnaum. O material já tem seu fim determinado. O espiritual ainda está em aberto, dependendo da decisão pessoal de cada um de nós. Quando alguém diz: “Fulano está na Obra”, entenda bem: É de sua redenção que está tratando. Se o fulano não estiver, estará apenas na primeira Obra, criadora. Mas quem faz a vontade de Deus permanece para sempre. Amém.

venham-e-vejam

Pecado: uma doença da alma

Apesar de falar muitas vezes nos evangelhos sobre enfermidades que Jesus curou, a passagem da mulher paralítica traz uma informação bastante peculiar: aquela era uma doença de fundo maligno, causada por uma opressão. Não quero entrar em detalhes Pecado: uma doença da almasobre isso aqui, agora. Mas a história nos servirá para tratar de outra doença de fundo espiritual, como diz o título desta pequena postagem.

É uma doença que:

  • Encurva o homem – o pecado obriga o ser humano a olhar para o chão, para as coisas terrenas;
  • Limita seu campo visual, impedindo-o de ver ao longe (o futuro glorioso que Deus preparou para nós);
  • Impede-o também de olhar para cima (para as coisas do Senhor);
  • Não deixa a pessoa endireitar-se, de modo algum – muitos tentam colocar sua vida em ordem, mas essa doença não permite isso.

Jesus viu a mulher, antes que a mulher pudesse vê-Lo. Ainda hoje é assim. Ele nos conheceu e soube de todas as nossas limitações.

Em seguida chamou-a para perto de Si – Seu chamado é para seguirmos para junto d’Ele. Muitas vezes são as situações que nos levam a entrar em contato com a igreja e com a Palavra do Senhor.

Mas Ele ainda iria fazer mais…

Diz a ela: estás livre da tua enfermidade! Bastava isso, sua ordem, Sua Palavra tem poder para operar tão grande transformação em nós.

Talvez ela, por não enxergar nada além do chão, não tenha crido imediatamente que era mesmo com ela que o Mestre falava. Por isso Jesus tocou nela. O toque de Jesus afugenta toda incerteza, toda dúvida.

Após se levantar, ver antes de tudo o rosto do meigo Salvador, ela faz o que nos restou fazer também depois do que fez por nós: Glorificar a Deus, Aleluia!