Qual dentre vós será o homem?

Em certa ocasião, Jesus estava em uma sinagoga e viu ali um rapaz que tinha uma de suas mãos mirrada. Ele o chamou para o meio e disse aos demais que ali estavam:

O dia de sábado, dentro da cultura religiosa de Israel, era dedicado ao descanso. Mas o Senhor mostrava que um homem responsável, que tem compromisso com as ovelhas que lhe foram confiadas, não pode descansar enquanto houver uma delas presa, limitada de alguma maneira, ou ainda correndo risco de morrer. Ainda que todos os demais estejam fazendo isso.

Ainda que seja “tempo de descanso” para muitos, para a Igreja Fiel é tempo de resgatar os que estão presos em covas. Em certas situações, a cova será tão funda que será necessário descer a ela para ajudar a suspender a pobre e desesperançada ovelha.

Para entender isso temos o melhor dos exemplos. O Senhor Jesus, quando todos estavam impedidos de lutar pela humanidade, quando não havia quem socorresse a ovelha, desceu até à cova dela – literalmente – e de lá nos tirou, a todos os que creem em Seu nome e em Sua obra redentora.

Por isso hoje repetimos aqui a pergunta do Senhor Jesus: “Qual dentre vós será o homem”? “Quem há”, pergunta o Todo-Poderoso, “de ir por nós?” (Isaías 6:8).

A Igreja Fiel, cheia do Espírito Santo, pergunta também assim: qual será esse homem? Que trabalha enquanto os demais descansam. Que se preocupa enquanto os demais festejam. Que desce ao nível do problema das ovelhas para entendê-las melhor, para enxergar do ponto de vista delas?

Depois de dizer isso, Jesus curou o homem, que agora tem ambas as mãos aptas para o trabalho. O Senhor o destacou dentre os demais para que agora aquele homem, uma ovelha restaurada, pudesse fazer o mesmo, ir em socorro das demais que ainda estão presas e precisam de ajuda para escapar.

Como diz o antigo louvor cristão: “Podes tu também dizer: sou um dos tais?”.

Faça as perguntas corretas

Em Lucas cap. 14 lemos sobre o diálogo do Senhor Jesus com os religiosos de sua época. No verso 6, o evangelista registra que os homens “nada podiam replicar sobre isso”, sobre as perguntas que o Mestre lhes fazia.

Creio que ainda hoje acontece da mesma maneira e penso que sei, em parte, a razão de acontecer. Não sabemos as respostas que precisamos dar por não saber fazer as perguntas corretas.

Ao redirecionar o raciocínio daqueles homens com as perguntas corretas, Jesus mostra a eles o quão distantes estavam de pensar corretamente. “Que comeremos?” ou “com que nos vestiremos?” Tais questionamentos pareciam medíocres aos olhos do Pai da Eternidade. É dessa perspectiva que Ele quer que olhemos as coisas à nossa volta.

“De que vale ao homem ganhar o mundo inteiro?” Quantas vezes as pessoas pensam assim: ganhar mais e mais e mais… – e não consideram que estão perdendo suas almas imortais, o primeiro e mais precioso presente de Deus ao homem?

“Quando o Filho do Homem vier, porventura achará fé na Terra?” Quem poderia imaginar que Ele, ao voltar, haveria de procurar isso, fé? Seria racional pensar que Ele estaria em busca de nossas realizações, nossos feitos e sacrifícios pessoais, mas não. Pense então – e se pergunte: qual o real valor da fé? Por que ela deveria ser uma prioridade?

Vemos nisso a importância da leitura da Palavra de Deus. Ela nos instiga a fazer as perguntas certas e alinhar nossos valores aos valores de Deus.

Se conseguirmos melhorar nossas perguntas – e a Bíblia nos mostra o que vale a pena tentar – poderemos encontrar respostas maravilhosas, que darão novo sentido ao nosso viver. Afinal, o propósito de Deus é encobrir e o do homem, descobrir (Provérbios 25:2).

E você, estará fazendo as perguntas certas a Deus? Pense nisso.