Deus não vê como vê o homem

Essa foi a descoberta do profeta/sacerdote/juiz Samuel, registrada no livro que ele escreveu, no Velho testamento. Ele foi levado por Deus à casa de um homem de Belém de Judá, em Israel, chamado Jessé. Dentre os filhos de Jessé o Senhor havia escolhido um para reinar sobre o toda a nação.

Lá chegando, Samuel se depara com o primogênito da família, um homem alto, guerreiro, com todos os supostos requisitos que havia no imaginário do povo acerca de um rei. Impressionado – e iludido – com isso, o profeta ouve a voz de Deus falar ao seu coração, demolindo suas ilusões:

“Não atentes para a sua aparência, nem para a altura da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o Senhor não vê como vê o homem. Pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração.” 1 Samuel 16:7

Voltando a nossa atenção agora para os dias atuais, acredito que o Senhor esteja usando a situação de isolamento social que agora vivemos, que fechou nossos templos, para tirar alguns dos nossos principais argumentos religiosos: as coisas que fazemos à vista dos demais, na nossa rotina religiosa. E agora? Agora ficamos só nós e o Senhor. Nossa aparência – inclusive o que era SÓ aparência – religiosa está impedida de se mostrar e restou apenas aquilo que realmente conta: nosso coração, que só Deus conhece.

“Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração”. Isso nunca foi apenas figura de linguagem. Desde o princípio, era exatamente o que Deus esperava de nós.

Davi – o filho de Jessé a quem Deus escolheu no dia da visita de Samuel – escreveu assim:

“Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração” (Salmo 139:23a)

Pense nisso e assista ao clip abaixo, de uma música que trata desse assunto. E que o Senhor nos molde para que venha a se agradar de nós.