O Bom Pastor e os pastores bons

Dentre as muitas histórias peculiares que a Bíblia conta, há um registro na vida de Jacó que é pouco conhecido mas muito curioso – e carregado de sabedoria de Deus também.

Havendo sido enganado por Labão, para quem trabalhava, Jacó lhe propôs que certo tipo de cordeiro e de cabrito passasse a ser seu salário: Os manchados, malhados e listrados. Como isso era bastante incomum, Labão concorda com ele.

Jacó fez o seguinte: Quando as ovelhas saudáveis estavam diante da fonte e dos bebedouros,

 “…tomou Jacó varas verdes de álamo e de aveleira e de castanheiro, e descascou nelas riscas brancas, descobrindo a brancura que nas varas havia”

Gênesis 30:37

Por algum processo desconhecido da nossa ciência natural (portanto sobrenatural de Deus) diante daquelas varas assim marcadas, as ovelhas e cabras geravam crias com essas características, que agora eram de propriedade dele, de Jacó. Assim o rebanho de listradosJacó era robusto e tinha sua própria característica, conforme o “riscado” dele.

Jesus, o Bom Pastor, tem Seu trabalho aí profetizado: Ele fortalece e dá característica às Suas ovelhas ainda hoje. Para isso, toma homens e mulheres (as varas, diferentes, com características próprias) e trabalha nelas, “ferindo-as”, tendo como propósito descobrir a vida nova, interior, a brancura – que nos lembra a santidade que Deus espera e requer de seus instrumentos, afinal Ele é Santo – marcas que vão se repetir no rebanho.

Quando o Senhor, no meio da Igreja, levanta pessoas para servirem de referência para as demais, as planta junto às águas da Palavra de Deus. De outro modo elas se secam e se tornam inúteis, a brancura desaparece.

Talvez seja esse o processo pelo qual você está passando, amigo leitor: Deus está tirando cascas em você, o que é velho, para que o que é novo, santo, apareça. Porém não só para Ele, mas também para as pessoas que estão à sua volta, características santas de um viver santo, que será imitado, para que a Igreja se torne mais e mais um rebanho saudável, que leva sobre si as marcas do Senhor Jesus.

Talvez você seja um pastor ou esteja sendo preparado para ser um. Esta palavra é especialmente para que você entenda: Os golpes e cortes que o Bom Pastor permite que você sofra tem um propósito, por eles Deus estará imprimindo marcas preciosas na vida dos que estão diante de você, que se aproximam por causa das águas em que você está plantado. Deixe o Senhor fazer de você uma boa referência no meio do povo d’Ele, vai valer a pena.

Escada que desce e sobe

the-process-forest-stairsA história de como Deus se revelou a Jacó em sonhos enquanto dormia com a cabeça recostada na pedra (Gênesis 28:10-17) é muito querida e desperta fascínio no coração de crianças e adultos há milhares de anos.

Estando bem no princípio da Bíblia, contribui – numa leitura linear das Escrituras – para a compreensão gradativa da relação do homem com seu Criador. A história traz, em si, inúmeras aplicações, algumas já citadas aqui no blog (clique aqui para abrir em outra aba). Quero porém sua atenção para um detalhe precioso que se alinha com o momento profético que estamos vivendo atualmente: a volta de Jesus e o arrebatamento da Igreja.

Deus se revela e faz promessas a Jacó – que só o conhecia de ouvir falar. Do alto da escada, lá no céu, o Senhor lhe garante que estaria com ele, isto é que desceria de lá. Essa promessa feita a Jacó se cumpriu literalmente séculos mais tarde, quando do nascimento do Senhor Jesus, que se tornou, de fato, Emanuel: Deus junto de nós.

Essa história de céu aberto, insisto, está no primeiro livro da Bíblia. No último livro da Bíblia, Apocalipse, lemos novamente de céu aberto mas aí há uma diferença: o Deus que a Jacó prometeu descer (e desceu) agora promete que somos nós que vamos subir.

Moisés escreveu isso a respeito de Deus:

Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?

Números 23:19

Maranata! Ora vem Senhor Jesus!