3 degraus para a resposta da oração

Escuta-meAnteontem eu ia apressado pela rua quando fui abordado por um conhecido, que já visitou nossa igreja, homem temente a Deus e de boa reputação na sociedade local. Ele sorriu pra mim e disse: “Mateus 15, leia lá. Veja a sabedoria daquela mulher”. Não era uma conversa que começava, era só aquilo que ele tinha pra me dizer. Eu prometi, com um sorriso, que leria, ele virou-se e foi embora. Continuei apressado, mas como não me lembrava exatamente a que mulher ele se referia, fiquei curioso até chegar em casa e conferir o texto bíblico.

Em todo o capítulo, a única mulher mencionada é a cananéia anônima, que tinha um sério problema com a saúde de sua filha. Fiquei remoendo essa história enquanto orava ao Senhor para que continuasse falando comigo.

Percebi que desde o momento em que ela decidiu buscar a ajuda do Senhor Jesus, passou por um processo, digamos, que teve as seguintes etapas, os seguintes degraus:

1 – JESUS NÃO LHE RESPONDEU DE PRONTO
Diz o texto que ela expôs sua necessidade, mencionou a profecia sobre a descendência de Davi, tudo direitinho. Jesus não lhe respondeu palavra. Nada. Silêncio absoluto. Talvez falasse com outros à sua volta, mas não com ela. Isso por si só já seria, talvez, motivo para desanimar, para desistir.

Muitas vezes acontece assim ainda hoje. Pedimos ao Senhor, crendo nas profecias, na Palavra do Senhor, temos uma razão justa, um pedido razoável e o apresentamos a Ele e… nada. Silêncio total. Muita gente pára por aí.
Tudo que Deus faz é bom, diz a Bíblia. E diz mais: todas as coisas cooperam para o bem dos que amam a Deus. Isso inclui o silêncio dEle também. Ele tem Suas razões. Tem sua própria maneira de tratar conosco e, frequentemente, está testando nossa perseverança, que é uma qualidade importantíssima na vida do cristão. Se não tivermos pelo menos uma pequena fé, não vamos passar desta etapa.

2 – AS PESSOAS COMEÇARAM A LHE OPOR RESISTÊNCIA
Certamente antes de ir a Jesus, os discípulos devem ter ralhado com ela, feito caras feias, murmurado contra seus clamores. Era também razão suficiente para a maioria de nós desistir. Às vezes até inconscientemente alguém vem dizer uma palavra que tem grande efeito desanimador, nos dando todos os argumentos que necessitaríamos para desistir de confiar em Deus para aquela situação.
Não que nos tornem totalmente descrentes, só nos levam a acreditar que AQUELE pedido específico Deus não vai atender. Se ela parasse de clamar ali, todos iriam compreender… Quem tem uma fé mediana pára por aqui.

3 – JESUS DIZ QUE ELA NÃO MERECIA A BÊNÇÃO
Esse é, talvez, o momento mais difícil para nós. É quando o Senhor nos mostra a verdade: somos INDIGNOS DA ATENÇÃO DE DEUS. Não merecemos a bênção. Simples assim. Jamais seremos, pelos nossos feitos e qualidades, merecedores da resposta de Deus.
Apesar de sabermos disso por ouvir mensagens e estudos com relação aos nossos pecados e à nossa condição diante de Deus, ouvir isso da boca do próprio Deus tem um impacto muito grande em nosso ego, em nossa auto-estima, como dizem.
Essa é a barreira final. A perseverança definirá o resultado. Segundo o texto, a mulher não saiu chorando, em desespero total, nem contestou a afirmação de Jesus, dizendo que não era uma pessoa assim tão má. Ela reconheceu seu estado e a verdade da afirmação de Jesus.
Mas INSISTIU EM PEDIR. Isso para o Senhor Jesus foi a prova de que ela tinha, não uma pequena fé ou uma fé mediana. Esse era o sinal de que em seu coração havia uma fé madura, uma grande fé.

Jó dizia: Ainda que Ele me mate, nEle esperarei.

Assim eu vi, como disse o “profeta da rua” que encontrei, a sabedoria daquela mulher. Que agora é nossa sabedoria também.