És tu aquele…?

És tu aquele...?O comportamento de Daniel é uma referência importante na Bíblia acerca da atitude do homem que teme a Deus. Em quase todos os capítulos de seu pequeno livro podemos encontrar situações em que sua postura foi colocada à prova – e ele se saiu muito bem, diga-se.

Experimentou humilhações e também honrarias. Diante de mesa farta ou na escassez (ainda que voluntária), manteve sua boa conduta e até um anjo de Deus se referiu a ele como “homem mui desejado”, isto é, alcançou graça diante de Deus e dos homens. Deus deseja encontrar mais gente assim. O Pai procura quem esteja na posição certa desde os tempos de Adão.

No capítulo 5 lemos que a rainha mãe referiu-se a ele dizendo que havia no reino “um homem, no qual há o espírito dos deuses santos; e nos dias de teu pai se achou nele luz, e inteligência, e sabedoria, como a sabedoria dos deuses”. Considerando as limitações de compreensão da rainha, vemos que ela considerou Daniel um homem espiritual. Aquela descrição chamou a atenção do rei, que mandou chamar a Daniel para estar em sua presença.

A pergunta do rei dá o título e o tom desta postagem: És tu aquele Daniel? Você conserva a boa fama que um dia teve? Vamos tomar essa pergunta para nós, como vinda da parte de outro rei, muitíssimo mais nobre e com interesses muito mais elevados em nós: O Rei Jesus.

Pense n’Ele perguntando a você: És tu aquele de quem, um dia, ouviu-se falar? Ainda há em ti o Espírito do Deus Santo? A luz e a sabedoria do Senhor para solver (não para criar) dúvidas habitam em ti?

(texto sugerido pelo amigo Paulo Bráz, de Juiz de Fora)