A hora certa de falar

A parábola da dracma perdida é, como diz o Salmo 119:96, amplíssima.

Um ensino maravilhoso que me trouxe nesta semana é o seguinte:

A mulher, sozinha na casa, deu falta de uma pequena moeda. A casa pode representar nossa vida espiritual, que tem riquezas dadas por Deus: Salvação, experiências, marcas feitas por Deus em nossa caminhada, dons espirituais e etc.

Ao primeiro sinal de perda, se pôs a procurar com diligência (examine-se, pois, o homem a si mesmo). Ela não esperou perder outra ou outras moedas.

Suas providências foram duas: acender a candeia e varrer a casa.

Acender a candeia representa dar lugar no coração ao Espírito Santo (representado no azeite) e pedir a Ele que ilumine a sua casa. Sem a iluminação é impossível prosseguir, ou seja:

Varrer a casa, que representa a santificação CUIDADOSA e CRITERIOSA. Não se trata de simplesmente tirar um ou outro pecado que consideremos mais ofensivo a Deus, mas varrer é ser exigente na santificação pessoal, colocando para fora da vida mesmo os menores sinais de impureza, sob a iluminação do Espírito Santo.

JÁ ACHEI, disse ela a todos em redor.

Há muitos crentes que, quando dão falta de algum valor em sua casa (ou na sua igreja), vão logo anunciando a todos ao redor: JÁ PERDI.

Algum tempo em silêncio, em oração e busca ao Senhor, nos farão reaver os valores preciosos que temos recebido da parte de Deus.

Tenhamos pressa para orar e  buscar ao Senhor. Não para falar.

“Mas todo homem seja pronto para ouvir, tardio para falar...” (Tiago, 1:19.)