Os vasos da casa da viuva

Lemos na história da mãe que procurou o profeta Eliseu, preocupada com a situação presente e futura de seu lar, que ela afirmou: Não tenho nada em casa, senão uma botija de azeite. Talvez tivesse, ainda que simples, alguns utensílios, umas roupas e outros pequenos objetos, mas o que tinha valor em sua casa era, de fato, o azeite.

Temos aprendido que o azeite representa a operação do Espírito Santo em nossa casa, em nossa vida. Talvez você e eu possamos dizer, como ela, que o que temos de mais precioso em nossa casa, em nosso coração, é de fato a presença do Espírito de Deus.

Mas é possível que isso se restrinja a uma botija, num canto da casa. Muitos setorizam sua vida, procurando manter apartado o Espírito Santo dos demais interesses da vida. A ordem do profeta, no passado, também nos beneficia hoje: Encha todos os vasos disponíveis com azeite. Até mesmo as pequenas vasilhas de sua casa deram lugar ao azeite. Isso até ao momento em que toda a casa rescendia o suave cheiro do óleo.

Logo até os vizinhos começaram a se beneficiar com a obediência daquela mulher e suas vasilhas também foram cheias, os fazendo testemunhas e participantes daquele milagre.

Assim será conosco também se em todas as vasilhas – setores – da nossa vida houver a presença do Espírito Santo: no casamento, na criação dos filhos, na condução dos negócios, no cuidado com a saúde, enfim tudo.

Ao testemunhar ao profeta sobre a consequência de sua obediência, ela ouviu: Vivam disso.

Viva disso você também.