Algumas considerações sobre a mensagem para o Natal

Apenas dois pequenos grupos descobriram – por revelação – sobre a chegada do Messias: Uns poucos pastores (judeus) e uns poucos magos (gentios). Os demais homens continuaram a viver normalmente, alguns valorizando a família (outros não), valorizando os amigos (outros não), fazendo planos para o ano seguinte… como hoje, quando apenas uns poucos homens estão descobrindo, por revelação, o Projeto de Deus na pessoa de Seu Filho Maravilhoso e Sua volta iminente.

Ao ver Jesus, se sentiram impelidos a sair e “divulgaram a palavra que acerca do menino lhes fora dita; E todos os que a ouviram se maravilharam do que os pastores lhes diziam.” Lucas 2:17,18. E você, que tem visto o Salvador tem tomado atitude semelhante? Então pode esperar reação semelhante de todos que lhe ouvirem também.

Aos pregadores:

  • Quanto à data: NÃO infere-se pelos textos proféticos, bíblicos e históricos que se trata de uma época próxima da data celebrada. Acreditam os estudiosos que possa ter sido entre março e abril, quando já passou o inverno e o tempo volta a esquentar no hemisfério norte – razão suficiente para os pastores apascentarem suas ovelhas à noite.
  • A voz do último profeta, (João Batista), NÃO dava sinais de que o evento estava prestes a se manifestar – Sendo apenas alguns meses mais velho do que Jesus, João era apenas um bebê quando Ele nasceu e só iniciaria sua pregação pouco antes do MINISTÉRIO DE JESUS, cerca de 30 anos mais tarde.
  • Cuidado aqui: Simeão e Ana NÃO eram da família de Jesus, como pensam alguns. Estavam, sim, atentos à profecia, ao falar do Espírito Santo.