A Igreja cuida do ministério… que cuida da Igreja

Em nosso meio, na Obra que o Senhor tem operado, o pastor não “fica para sempre”, isto é, de tempos em tempos o Senhor mesmo orienta a alternância entre os pastores e rebanhos da região.

Além das razões que, para nós, são óbvias, encontramos isso bem representado na história da mulher que foi interceder pelos filhos junto a Eliseu. Sabendo que o credor queria levá-los por seus escravos, pediu socorro ao profeta. O conselho deste foi que eles trabalhassem por suas vidas, trazendo à casa onde moravam os vasos vazios dos vizinhos. Assim também a Igreja (mulher) sabe que o ministério gerado por ela (os filhos) são o seu arrimo e perdê-los para o mundo (credor) é enfraquecer e perecer. Ciente disso ela intercede pelos seus pastores e ajudadores constantemente, levando suas vidas diante do Espírito Santo (representado por Eliseu).

O trabalho do ministério é trazer os vasos vazios até à casa e auxiliar a Igreja a enchê-los. Mas os meninos do texto faziam isso um de cada vez. Ficava ali até que a mãe completasse aquele vaso. Depois saía e dava lugar ao outro, irmão que tinha o mesmo propósito que ele. Então o processo se reiniciava. É assim com o pastor, que permanece até que seu trabalho se complete, segundo a porção do óleo para aquele trabalho específico. Depois sai, dando lugar a seu irmão, que tem o mesmo propósito de ver seu próprio bem e o bem da Igreja.

Isso durará até que não haja mais vasos no propósito do Senhor e então todos nós, Igreja e pastores ouviremos a doce voz do Senhor dizer: “Ide e tu e teus filhos vivei…” – a Vida Eterna.